sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Ah, os amigos

Uma semana cheia de amigos, tive essa sorte. Os mais diferentes, amados, especiais e queridos amigos. Ás vezes a gente acaba esquecendo o quanto isso faz diferença na vida da gente. Uma balada inesquecível, um banho de sol, conversar comendo pastel sentada na calçada e sonhando alto, muito alto. Encontros que deixam a vida mais leve, muito mais divertida e fácil.
Obrigada, obrigada!!

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

O tempo

Nós corremos demais...
Carta de Caymmi para Jorge Amado.
“Jorge meu irmão, são onze e trinta da manhã e terminei de compor uma linda canção para Yemanjá pois o reflexo do sol desenha seu manto em nosso mar, aqui na Pedra da Sereia. Quantas canções compus para Janaína, nem eu mesmo sei, é minha mãe, dela nasci. Talvez Stela saiba, ela  sabe tudo, que mulher, duas iguais não existem, que foi que eu fiz de bom para merecê-la? Ela te manda um beijo, outro para Zélia e eu morro de saudade de vocês.  Quando vierem, me tragam um pano africano para eu fazer uma túnica e ficar irresistível. 
Ontem saí com Carybé, fomos buscar Camafeu na Rampa do Mercado, andamos  por aí trocando pernas, sentindo os cheiros, tantos, um perfume de vida ao sol, vendo as cores, só de azuis contamos mais de quinze e havia um ocre na parede de  uma casa, nem te digo. Então ao voltar, pintei um quadro, tão bonito, irmão, de causar inveja a Graciano. De inveja, Carybé quase morreu e Jenner, imagine!, se fartou de elogiar, te juro. Um quadro simples: uma baiana, o tabuleiro com abarás e acarajés e gente em volta. Se eu tivesse tempo, ia ser pintor, ganhava uma fortuna.  O que me falta é tempo para pintar, compor vou compondo devagar e sempre, tu sabes como é, música com pressa é aquela droga que tem às pampas sobrando por aí. O tempo que tenho mal chega para viver: visitar Dona Menininha, saudar Xangô, conversar com Mirabeau, me aconselhar com Celestino sobre como investir o dinheiro que não tenho e nunca terei, graças a Deus, ouvir Carybé mentir, andar nas ruas, olhar o mar, não fazer nada e tantas outras obrigações que me ocupam o dia inteiro.  Cadê tempo pra pintar? 
Quero te dizer uma coisa que já te disse uma vez, há mais de vinte anos quando te deu de viver na Europa e nunca mais voltavas: a Bahia está viva, ainda lá, cada dia mais bonita, o firmamento azul, esse mar tão verde e o povaréu. Por falar nisso, Stela de Oxóssi é a nova iyalorixá do Axé e, na festa da consagração, ikedes e iaôs, todos na roça perguntavam onde anda Obá Arolu que não veio ver sua irmã subir ao trono de rainha? Pois ontem, às quatro da tarde, um  pouco mais ou menos, saí com Carybé e Camafeu a te procurar e não te encontrando, indagamos: que faz ele que não está aqui se aqui é seu lugar? A lua de Londres,  já dizia um poeta lusitano que li numa antologia de meu tempo de menino, é merencória. A daqui é aquela lua. Por que foi ele para a Inglaterra? Não é inglês, nem  nada, que faz em Londres? Um bom filho-da-puta é o que ele é, nosso irmãozinho. 
Sabes que vendi a casa da Pedra da Sereia? Pois vendi. Fizeram um edifício medonho bem em cima dela e anunciaram nos jornais: venha ser vizinho de Dorival Caymmi. Então fiquei retado e vendi a casa, comprei um apartamento na Pituba, vou ser vizinho de James  e de João Ubaldo, daquelas duas ‘línguas viperinas, veja que irresponsabilidade a minha.
Mas hoje, antes de me mudar, fiz essa canção para Yemanjá que fala em peixe  e em vento, em saveiro e no mestre do saveiro, no mar da Bahia. Nunca soube falar de outras coisas. Dessas e de mulher. Dora, Marina, Adalgisa, Anália, Rosa morena,  como vais morena Rosa, quantas outras e todas, como sabes, são a minha Stela com quem um dia me casei te tendo de padrinho. A bênção, meu padrinho, Oxóssi te proteja nessas inglaterras, um beijo para Zélia, não esqueçam de trazer meu pano africano, volte logo, tua casa é aqui e eu sou teu irmão Caymmi”

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Puro amor

Esse carinho não tem preço.

Talvez não ser

Talvez não ser,
é ser sem que tu sejas,
sem que vás cortando
o meio dia com uma
flor azul,
sem que caminhes mais tarde
pela névoa e pelos tijolos,
sem essa luz que levas na mão
que, talvez, outros não verão dourada,
que talvez ninguém
soube que crescia
como a origem vermelha da rosa,
sem que sejas, enfim,
sem que viesses brusca, incitante
conhecer a minha vida,
rajada de roseira,
trigo do vento,

E desde então, sou porque tu és
E desde então és
sou e somos...
E por amor
Serei... Serás...Seremos...

Talvez, Pablo Neruda.

Chuva

Quanta coisa uma tempestade desperta na gente...

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Pensando bem


Normose
"Quanto mais a vida se torna truculenta, mais necessidade temos de buscar paz de espírito, o que explica o interesse crescente por crenças como o budismo e práticas como a ioga, que, cada uma a seu modo, procuram trazer a pessoa de volta para seu eixo interno, para um estado de relaxamento e de encontro com a felicidade através das coisas mais simples.Lendo uma entrevista do professor Hermógenes, 86 anos, considerado o fundador da ioga no Brasil, ouvi uma palavra inventada por ele que me pareceu muito procedente: ele disse que o ser humano está sofrendo de normose, a doença de ser normal. Todo mundo quer se encaixar num padrão. Só que o padrão propagado não é exatamente fácil de alcançar. O sujeito “normal” é magro, alegre, belo, sociável e bem-sucedido. Quem não se “normaliza” acaba adoecendo. A angústia de não ser o que os outros esperam de nós gera bulimias, depressões, síndromes do pânico e outras manifestações de não-enquadramento. A pergunta a ser feita é: quem espera o que de nós? Quem são esses ditadores de comportamento a quem estamos outorgando tanto poder sobre nossas vidas?Eles não existem. Nenhum João, Zé ou Ana bate à sua porta exigindo que você seja assim ou assado. Quem nos exige é uma coletividade abstrata, que ganha “presença” através de modelos de comportamento amplamente divulgados. Só que não existe lei que obrigue você a ser do mesmo jeito que todos, seja lá quem for todos. Melhor se preocupar em ser você mesmo. A normose não é brincadeira. Ela estimula a inveja, a autodepreciação e a ânsia de querer o que não se precisa. Você precisa de quantos pares de sapato? Comparecer em quantas festas por mês? Pesar quantos quilos até o verão chegar? Não é necessário fazer curso de nada para aprender a se desapegar de exigências fictícias. Um pouco de auto-estima basta. Pense nas pessoas que você mais admira: não são as que seguem todas as regras bovinamente, e sim aquelas que desenvolveram personalidade própria e arcaram com os riscos de viver uma vida a seu modo. Criaram o seu “normal” e jogaram fora a fórmula, não patentearam, não passaram adiante. O normal de cada um tem que ser original. Não adianta querer tomar para si as ilusões e desejos dos outros. É fraude. E uma vida fraudulenta faz sofrer demais. Eu não sou filiada, seguidora, fiel ou discípula de nenhuma religião ou crença, mas simpatizo cada vez mais com quem nos ajuda a remover obstáculos mentais e emocionais, e a viver de forma mais íntegra, simples e sincera. Por isso divulgo o alerta: a normose está doutrinando erradamente muitos homens e mulheres que poderiam, se quisessem, ser bem mais autênticos e felizes."
Martha Medeiros

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Tão

Cinema Americano

Tão homem tão bruto tão coca-cola nego tão rock n'roll
Tão bomba atômica tão amedrontado tão burro tão desesperado
Tão jeans tão centro tão cabeceira tão Deus
Tão raiva tão guerra tanto comando e adeus
Tão indústria tão nosso tão falso tão Papai Noel
Tão Oscar tão triste tão chato tão homem Nobel
Tão hot dog tão câncer social tão narciso
Tão quadrado tão fundamental
Tão bom tão lindo tão livre tão Nova York
Tão grana tão macho tão western tão Ibope
Racistas paternalistas acionistas
Prefiro os nossos sambistas
A ponte de safena Hollywood e o sucesso
O cinema a Casa Branca a frigideira e o sucesso
A Barra da Tijuca Hollywood e o sucesso
Prefiro os nossos sambistas
Prefiro o poeta pálido anti-homem que ri e que chora
Que lê Rimbaud, Verlaine, que é frágil e que te adora
Que entende o triunfo da poesia sobre o futebol
Mas que joga sua pelada todo domingo debaixo do sol
Prefere ao invés de Slayer ouvir Caetano ouvir Mano Chao
Não que Slayer não seja legal e visceral
A expressão do desespero do macho americano é normal
Esse medo da face fêmea dita por Cristo é natural
É preciso mais que um soco pra se fazer um som um homem um filme
É preciso seu amor seu feminino seu suíngue
Pra ser bom de cama é preciso muito mais do que um pau grande
É preciso ser macho ser fêmea ser elegante
Prefiro os nossos sambistas

Thais Gulín 

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Ando à procura de espaço

"Ando à procura de espaço
para o desenho da vida.
Em números me embaraço
e perco sempre a medida.
Se penso encontrar saída,
em vez de abrir um compasso,
projeto-me num abraço
e gero uma despedida.

Se volto sobre o meu passo,
é já distância perdida.

Meu coração, coisa de aço,
começa a achar um cansaço
esta procura de espaço
para o desenho da vida.
Já por exausta e descrida
não me animo a um breve traço:
- saudosa do que não faço,
- do que faço, arrependida."

Canção Excêntrica,  Cecília Meireles.

Uma luz

Mãe em casa é como uma luz, cuidando e fazendo tudo ser mais fácil.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

A juventude

"Alguns jovens - desanimados ou simplesmente aborrecidos - ou mesmo infelizes - bebericavam no bar. Que estranho absurdo dizer-se que a juventude é a época da felicidade. A juventude é a época da vulnerabilidade".
Morte no Nilo,  Agatha Christie.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

O tempo e o vento

Chegou a hora!Todo ano releio O Tempo e o Vento. Encontro marcado com o livro mais especial da minha vida, com meus personagens preferidos, com a saudade intensa lá do sul, com as emoções que só Érico Veríssimo causou em mim. Há alguns anos releio a trilogia perto do meu aniversário. Um presente que me dou e também um jeito de sonhar acordada. Bom demais!

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Qualquer sinal


"Se não conheço os mapas,
escolho o imprevisto:
qualquer sinal é um bom presságio"
L.L.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

A hora é boa, o tempo é amigo

" Não fuja
A hora é boa, o tempo é amigo
e o grito engolido já pode gritar
o mar tá calmo, o pé alcança a`reia
e a música que toca é fácil de dançar
então dance devagar
sem medo de errar o passo
o espaço é amplo
caia se precisar"
Giovanna Zambianchi

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Floresceu

E quando depois de um dia difícil, você lê uma boa mensagem, cozinha e fica perto de quem você ama, junto com o melhor cachorrinho desse mundo, você acaba tendo certeza de que todo o resto é muito pequeno perto de tantas alegrias. Obrigada, obrigada e obrigada!

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

A vida ri a cada manhã

"Como a vida muda.
Como a vida é muda.
Como a vida é nula.
Como a vida é nada.
Como a vida é tudo.
Tudo que se perde
mesmo sem ter ganho.
Como a vida é senha
de outra vida nova
que envelhece antes
de romper o novo.
Como a vida é outra
sempre outra, outra
não a que é vivida.
Como a vida é vida
ainda quando morte
esculpida em vida.
Como a vida é forte
em suas algemas.
Como dói a vida
quando tira a veste
de prata celeste.
Como a vida é isto
misturado àquilo.
Como a vida é bela
sendo uma pantera
de garra quebrada.
Como a vida é louca
estúpida, mouca
e no entanto chama
a torrar-se em chama.
Como a vida chora
de saber que é vida
e nunca nunca nunca
leva a sério o homem,
esse lobisomem.
Como a vida ri
a cada manhã
de seu próprio absurdo
e a cada momento
dá de novo a todos
uma prenda estranha.
Como a vida joga
de paz e de guerra
povoando a terra
de leis e fantasmas.
Como a vida toca
seu gasto realejo
fazendo da valsa
um puro Vivaldi.
Como a vida vale
mais que a própria vida
sempre renascida
em flor e formiga
em seixo rolado
peito desolado
coração amante.
E como se salva
a uma só palavra
escrita no sangue
desde o nascimento:
amor, vidamor!"
Parolagem da vida,  Carlos Drummond de Andrade. 
Como não amar Drummond! 

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Idade madura

"Já não dirão que estou resignado
e perdi os melhores dias.
Dentro de mim, bem no fundo
há reservas colossais de tempo,
futuro, pós-futuro, pretérito,
há domingos, regatas, procissões,
há mitos proletários, condutos subterrâneos,
janelas em febre, massas de água salgada, meditação e sarcasmo.
Ninguém me fará calar, gritarei sempre
que se abafe um prazer, apontarei os desanimados,
negociarei em voz baixa com os conspiradores,
transmitirei recados que não se ousa dar nem receber,
serei, no circo, o palhaço,
serei médico, faca de pão, remédio, toalha,
serei bonde, barco, loja de calçados, igreja, enxovia,
serei as coisas mais ordinárias e humanas, e também as excepcionais:
tudo depende da hora
e de certa inclinação feérica,
viva em mim qual inseto.
Idade madura em olhos, receitas e pés, ela me invade
com sua maré de ciências afinal superadas.
Posso desprezar ou querer os institutos, as lendas,
descobri na pele certos sinais que aos vinte anos não via.
Eles dizem o caminho,
embora também se acovardem
em face a tanta claridade roubada ao tempo.
Mas eu sigo cada vez menos solitário,
em ruas extremamente dispersas,
transito no canto do homem ou da máquina que roda,
aborreço-me de tanta riqueza, jogo-a toda por um número de casa,
e ganho.
                   Carlos Drummond de Andrade (In: A rosa do povo)

Não dá vontade de sair gritando essa maravilha?

quarta-feira, 11 de julho de 2012

terça-feira, 10 de julho de 2012

Fatal e inteiro

"Sobretudo um dia virá em que todo meu movimento será criação, nascimento, eu romperei todos os nãos que existem dentro de mim, provarei a mim mesma que nada há a temer, que tudo o que eu for será sempre onde haja uma mulher com meu princípio, erguerei dentro de mim o que sou um dia, a um gesto meu minhas vagas se levantarão poderosas, água pura submergindo a dúvida, a consciência, eu serei forte como a alma de um animal e quando eu falar serão palavras não pensadas e lentas, não levemente sentidas, não cheias de vontade de humanidade, não o passado corroendo o futuro! O que eu disser soará fatal e inteiro!”.
Perto do Coração Selvagem, Clarice Lispector.

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Nu

É certo

Confissão
" É certo que me repito,
é certo que me refuto
e que, decidido, hesito
no entra-e-sai de um minuto.

É certo que irresoluto
entre o velho e o novo rito
atiro à cesta o absoluto
como inútil papelito.

É tão certo que me aperto
numa tenaz de mosquito
como é trinta vezes certo
que me oculto no meu grito.

Certo, certo, certo, certo
que mais sinto que reflito
as fábulas do deserto
do raciocínio infinito.

É tudo certo e prescrito
em nebuloso estatuto.
O homem, chamar-lhe mito
não passa de anacoluto."

Carlos Drummond de Andrade 


Drummond, sempre tão simples, tão correto, tão maravilhoso.

terça-feira, 3 de julho de 2012

Eu estava exatamente aqui


"Eu sonhei que estava exatamente aqui, olhando pra você
Olhando pra você exatamente aqui
'cê não sabe mais eu tava exatamente aqui, olhando pra você
'cê não sabe mais eu tava exatamente aqui
Pronto para despertar
Perto mesmo de explodir
Parto para não voltar
Pranto para estancar
Tanto para acordar
Tonto de tanto te ver
Prestes mesmo de explodir
Perto de saber porque
Por que um raio cai?
Por que o sol se vai?
Se a nuvem vem também
Por que você não vem?
Eu sonhei que estava exatamente aqui, olhando pra você
Olhando pra você exatamente aqui
'cê não sabe mais eu tava exatamente aqui, olhando pra você
'cê não sabe mais eu tava exatamente aqui
Pronto para despertar
Perto mesmo de explodir
Parto para não voltar
Pranto para estancar
Tanto para acordar
Tonto de tanto te ver
Perto mesmo de explodir
Prestes a saber porque
Por que um raio cai?
Por que que o sol se vai?
Se a nuvem vem também
Por que você não vem?
Por que?... por que que um raio cai?
Por que?... por que que o sol se vai?
Se a nuvem vem também
Por que você não vem?
Nada haver ficar assim sonhando separado
Se no fundo a gente quer o dia a dia lado a lado
Eu não vou deixar você com esse medo de se aproximar
Pra ter um fim toda história um dia tem que começar
Então me diz por que?... por que que um raio cai?
Por que que o sol se vai?
Se não é pra gente perceber que um milagre assim se faz
Por que que o sol se vai?
Nada, nada haver a gente se conter se as desse mar
Não param de bater se as ondas desse mar não param de jogar você no meu olhar.
É natural que seja assim você ai
E eu aqui exatamente aqui"
Dia a dia lado a lado,  Marcelo Jeneci.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

A mão do amor


"Eu queria que a mão do amor
Um dia trançasse
Os fios do nosso destino
Bordadeira fazendo tricô
Em cada ponto que desse
Amarrasse a dor
Em cada ponto que desse
Amarrasse a dor
Como quem faz um crochê
Uma renda, um filó
Unisse as pontas do nosso querer
E desse um nó"
A mão do amor,  Maria Bethânia.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Falta de ar


"Isso me dá falta de ar
Não tem nada a ver com você
A má qualidade do ar me faz compreender
Esse papo que gira aí
Que o mundo tem que crescer
Crescer até tocar a lua
Em marte eu vou descer
Mesmo que eu tenha criado
Um traje especial
Que me permita viagens
Em modo espacial
Ainda não voo
Foguete é osso
Pro ser humano
Viver é pouco"
Falta de ar, Céu.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Cruel tempo

"─ O tempo não existe.
─ O tempo existe, sim, e devora”
.

Morangos Mofados, Caio F. Abreu

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Para mim

"Escrevo para mim, para que eu sinta a minha alma falando e cantando, às vezes chorando..."
Clarice Lispector.
Achei isso no caderninho da exposição da Clarice Lispector, que aconteceu há dois anos, no CCBB. Mimo do dia.

Traz um alívio na voz


"Vou te contar,
A magia desse encontro.
Parece simples; cheiro, pele, olhar,
Que te faz, que te faz sonhar.
Eu me esquivando desse compromisso,
Podia até me equilibrar.
Mas quanto mais subia, mas frio sentia.
De novo tudo vira vício.
Meu corpo pede bezoar.
Abrigando tudo que me faz bem.
Falar alto, gritar.
Traz um alívio, me traz um alívio na voz,
Eu decidi trocar, a nociva fumaça de gente sem graça.
Debruçada no cansaço da correria do dia.
Eu tava atrás do desapego,
Até você chegar,
Não quero mais desespero.
Me traz um alívio.
Traz um alívio na voz,
Me traz um alívio.
Traz um alívio na voz.
Me traz um alívio.
Eu tava atrás do desapego,
Até você pintar,
Não quero mais desespero.
Me traz um alívio.
Traz um alívio na voz,
Me traz um alívio.
Traz um alívio na voz.
Me traz um alívio"
Traz um alívio, Apollo Nove.
A resposta que eu tanto esperei, tanto rezei, chegou. Nó desatado no meu coração,  um alívio na voz e aquele sentimento que eu sempre tive certeza se confirmou. "Brigada", Vida!

terça-feira, 12 de junho de 2012

No teu rosto, uma mensagem de amor




"Os livros na estante
Já não tem mais
Tanta importância
Do muito que eu li
Do pouco que eu sei
Nada me resta
A não ser
A vontade de te encontrar
E o motivo eu ja nem sei
Nem que seja só para estar
Ao teu lado só pra ler
No teu rosto
Uma mensagem de amor
A noite eu me deito
Então escuto
A mensagem no ar
Tambores runfando
Eu ja não tenho
Nada pra te dar

A não ser
A vontade de te encontrar
E o motivo eu ja nem sei
Nem que seja só para estar
Ao teu lado só pra ler
No teu rosto
Uma mensagem de amor

No céu estrelado
Eu me perco
Com os pés na terra
Vagando entre os astros
Nada me move
Nem me faz parar

A não ser
A vontade de te encontrar
E o motivo eu ja nem sei
Nem que seja só para estar
Ao teu lado só pra ler
No teu rosto
Uma mensagem de amor"
Mensagem de amor, Caetano Veloso.

A nomeação

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Quilmes

A melhor parte do meu final de semana. Puro amor!

Aquela cruel


"Em muitos países do mundo a garota
Também não tem o direito de ser.
Alguns até costumam fazer
Aquela cruel clitorectomia.

Mas no Brasil ocidental civilizado
Não extraímos uma unha sequer
Porém na psique da mulher
Destruímos a mulher."

Tom Zé
Roubei essa letra do Tom Zé do blog da Ju (meu preferido!). Nessas sintonias engraçadas da vida, essa música diz muito do que senti na última semana. Como somos cobradas e, principalmente, como nos cobramos como mulher. Passei a semana toda arrependida por ter essa sensibilidade (que me fez já tantas vezes "passar vergonha") que me fez chorar no trabalho semana passada. E escutei aquele papo de falta de auto-controle feminino de diversas pessoas. Vale gritar, discutir, fazer cara feia, falar coisas duras, mas chorar, jamais. Injusto comigo, que não consigo me segurar. Fora isso, fiquei me questionando sobre várias situações que sinto que só passo porque sou mulher. Apesar de ser antropóloga e toda a bagagem que vem com isso quando o tema é gênero, não consigo me identificar com o movimento feminista em muitos pontos. Mas cada vez mais, me sinto prejudicada por as imposições sobre as mulheres. Precisamos estar sempre bonitas, mas parecendo naturais; malhar, mas não ser neurótica; romântica, mas não grude; feminina, mas destemida e saber esconder no dia-a-dia tudo aquilo que por anos aprendemos que eram "coisas de mulher". Uma vez, na faculdade, uma mulher muçulmana disse uma coisa que nunca me esqueci: ela não achava a mulher ocidental mais livre, nossas prisões eram apenas muito diferente das que elas tinham. A mulher brasileira ou ocidental, sofria outras pressões e limitações.Só uma questão de perspectiva.
Eu, da minha parte, na semana passada, só queria ser levada a sério, mesmo chorando. Não é pedir demais.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Little changes and choices

"Little changes [and] little choices add up to be revolutionary changes in your life."
 Sarah Ban Breathnach

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Para hoje

Comigo

 

"Se você vier
Pro que der e vier
Comigo...
Eu lhe prometo o sol
Se hoje o sol sair
Ou a chuva...
Se a chuva cair
Se você vier
Até onde a gente chegar
Numa praça
Na beira do mar
Num pedaço de qualquer lugar...
Nesse dia branco
Se branco ele for
Esse tanto
Esse canto de amor
Oh! oh! oh...
Se você quiser e vier
Pro que der e vier
Comigo
Se você vier
Pro que der e vier
Comigo...
Eu lhe prometo o sol
Se hoje o sol sair
Ou a chuva...
Se a chuva cair
Se você vier
Até onde a gente chegar
Numa praça
Na beira do mar
Num pedaço de qualquer lugar...
E nesse dia branco
Se branco ele for
Esse canto
Esse tão grande amor
Grande amor...
Se você quiser e vier
Pro que der e vier
Comigo
Comigo, comigo"
Dia Branco,  Geraldo Azevedo.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

terça-feira, 29 de maio de 2012

Sorte

"Tudo de bom que você me fizer
Faz minha rima ficar mais rara
O que você faz me ajuda a cantar
Põe um sorriso na minha cara...
Meu amor, você me dá sorte
Meu amor!
Você me dá sorte meu amor!
Você me dá sorte
Na vida!...
Quando te vejo não saio do tom
Mas meu desejo já se repara
Me dá um beijo com tudo de bom
E acende a noite na Guanabara...
Meu amor, você me dá sorte
Meu amor!
Você me dá sorte meu amor!
Você me dá sorte
De cara!...
Tudo de bom que você me fizer
Faz minha rima ficar mais rara
O que você faz me ajuda a cantar
Põe um sorriso na minha cara...
Meu amor!
Você me dá sorte meu amor!
Você me dá sorte meu amor!
Você me dá sorte na vida!...
Quando te vejo não saio do tom
Mas meu desejo já se repara
Me dá um beijo com tudo de bom
E acende a noite na Guanabara...
Meu amor!
Você me dá sorte meu amor!
Você me dá sorte meu amor!
Você me dá sorte
De cara! (Na vida!)...
Meu amor!
Você me dá sorte meu amor!
Você me dá sorte meu amor!
Você me dá sorte
Na vida!...
De cara! Na vida!..."


segunda-feira, 28 de maio de 2012

Live now

" I have always intended to live foreber; but not until now, to live now."
Galway Kinnel.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Choose the tone

"The theme you choose may change or simply elude you, but being your own story means you can always choose the tone."
Toni Morrison

terça-feira, 22 de maio de 2012

Te valorizo


"Se eu pudesse mostrar o que você me deu
Eu mandava embrulhar, chamaria de meu
Melhor forma não há, pra guardar um amor
Então preste atenção ou me compre uma flor
Vem, me faz um carinho, me toque mansinho,
Me conta um segredo, me enche de beijo
Depois vai descansar, outra forma não há
Como eu te valorizo, eu te espero acordar
Se eu ousar te contar o que eu sonhei
Pode até engasgar, pagaria pra ver
Melhor forma não há pra provar meu amor
Eu te presto atenção, tento ser sua flor
Vem, te faço um carinho, eu te toco mansinho,
Te conto um segredo, te encho de beijo
Depois vou descansar, não vou te acompanhar
Espero que entenda
Vem, te faço um carinho, te toco mansinho,
Te conto um segredo ou te encho de beijo
Depois vou descansar, não vou te acompanhar
Espero que entenda e volte pra cá"
Te valorizo,  Tiê.
A cada dia 22 sou mais feliz.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Vi todas as coisas

"Vi todas as coisas, e maravilhei-me de tudo,  
Mas tudo ou sobrou ou foi pouco – não sei qual – e eu sofri.  
Vivi todas as emoções, todos os pensamentos, todos os gestos,  
E fiquei tão triste como se tivesse querido vivê-los e não conseguisse.  
Amei e odiei como toda gente,  
Mas para toda a gente isso foi normal e instintivo,  
E para mim foi sempre a exceção, o choque, a válvula, o espasmo“.
Álvaro de Campos

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Florindo

"Por que você chora tanto
E sofre sem ter motivo?
Vai, deixa todo esse rancor pra trás
Que a vida vem sorrindo pra nós dois
Que bom ver você florindo
Desperta, cheia de luz e de verdade
Deixa fugir do seu peito
Essas marcas de um passado que só vão te magoar
Por que você chora tanto
E sofre sem ter motivo?
Vai, deixa todo esse rancor pra trás
Que a vida vem sorrindo pra nós dois
Que bom ver você sorrindo
Desperta, cheia de luz e de verdade
Deixa fugir do seu peito
Essas marcas de um passado que só vão te magoar
Paixão,
Quem quer viver bem no presente encontra o seu lugar
Seu lugar nos braços do sossego
Enquanto uns dizem que o tempo não pára
Outros dizem que o tempo
Não passa de ilusão, ilusão
Deixa estar, que a vida é mais sábia
Cada coisa tem seu tempo
E esses pensamentos
Não passam de nuvem rasa
E todo esse sofrimento
Não pertence à sua casa
Cesso esse tormento,
Enxugo todo seu pranto
Com a força e com o sentimento
Que carrego no meu canto"
Florindo,  Mariana Aydar

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Behavior

"Courage, like fear, is a habit. The more you do it, the more you do it, and this habit—of stepping up, of taking action—more than anything else, will move you in a different direction"
 Tony Robbins


quinta-feira, 3 de maio de 2012

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Tá chegando

Apenas 3 dias para o show do ano. Hora de afogar todas as mágoas, cantar com o coração cheio de emoção!! Vem logo, Amarante!!

quarta-feira, 25 de abril de 2012

terça-feira, 24 de abril de 2012

Puro amor

5 anos de espera!! Coração alegre demais!
"Sem você sou pá furada"

Os melhores desse mundo

Importante lição dessa semana: meus pais são os melhores desse mundo. A gente vai ficando mais velha e cada vez mais respeita, entende e admira os pais da gente. Todos os dias tenho que ser grata, muito grata!