segunda-feira, 25 de junho de 2012

A mão do amor


"Eu queria que a mão do amor
Um dia trançasse
Os fios do nosso destino
Bordadeira fazendo tricô
Em cada ponto que desse
Amarrasse a dor
Em cada ponto que desse
Amarrasse a dor
Como quem faz um crochê
Uma renda, um filó
Unisse as pontas do nosso querer
E desse um nó"
A mão do amor,  Maria Bethânia.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Falta de ar


"Isso me dá falta de ar
Não tem nada a ver com você
A má qualidade do ar me faz compreender
Esse papo que gira aí
Que o mundo tem que crescer
Crescer até tocar a lua
Em marte eu vou descer
Mesmo que eu tenha criado
Um traje especial
Que me permita viagens
Em modo espacial
Ainda não voo
Foguete é osso
Pro ser humano
Viver é pouco"
Falta de ar, Céu.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Cruel tempo

"─ O tempo não existe.
─ O tempo existe, sim, e devora”
.

Morangos Mofados, Caio F. Abreu

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Para mim

"Escrevo para mim, para que eu sinta a minha alma falando e cantando, às vezes chorando..."
Clarice Lispector.
Achei isso no caderninho da exposição da Clarice Lispector, que aconteceu há dois anos, no CCBB. Mimo do dia.

Traz um alívio na voz


"Vou te contar,
A magia desse encontro.
Parece simples; cheiro, pele, olhar,
Que te faz, que te faz sonhar.
Eu me esquivando desse compromisso,
Podia até me equilibrar.
Mas quanto mais subia, mas frio sentia.
De novo tudo vira vício.
Meu corpo pede bezoar.
Abrigando tudo que me faz bem.
Falar alto, gritar.
Traz um alívio, me traz um alívio na voz,
Eu decidi trocar, a nociva fumaça de gente sem graça.
Debruçada no cansaço da correria do dia.
Eu tava atrás do desapego,
Até você chegar,
Não quero mais desespero.
Me traz um alívio.
Traz um alívio na voz,
Me traz um alívio.
Traz um alívio na voz.
Me traz um alívio.
Eu tava atrás do desapego,
Até você pintar,
Não quero mais desespero.
Me traz um alívio.
Traz um alívio na voz,
Me traz um alívio.
Traz um alívio na voz.
Me traz um alívio"
Traz um alívio, Apollo Nove.
A resposta que eu tanto esperei, tanto rezei, chegou. Nó desatado no meu coração,  um alívio na voz e aquele sentimento que eu sempre tive certeza se confirmou. "Brigada", Vida!

terça-feira, 12 de junho de 2012

No teu rosto, uma mensagem de amor




"Os livros na estante
Já não tem mais
Tanta importância
Do muito que eu li
Do pouco que eu sei
Nada me resta
A não ser
A vontade de te encontrar
E o motivo eu ja nem sei
Nem que seja só para estar
Ao teu lado só pra ler
No teu rosto
Uma mensagem de amor
A noite eu me deito
Então escuto
A mensagem no ar
Tambores runfando
Eu ja não tenho
Nada pra te dar

A não ser
A vontade de te encontrar
E o motivo eu ja nem sei
Nem que seja só para estar
Ao teu lado só pra ler
No teu rosto
Uma mensagem de amor

No céu estrelado
Eu me perco
Com os pés na terra
Vagando entre os astros
Nada me move
Nem me faz parar

A não ser
A vontade de te encontrar
E o motivo eu ja nem sei
Nem que seja só para estar
Ao teu lado só pra ler
No teu rosto
Uma mensagem de amor"
Mensagem de amor, Caetano Veloso.

A nomeação

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Quilmes

A melhor parte do meu final de semana. Puro amor!

Aquela cruel


"Em muitos países do mundo a garota
Também não tem o direito de ser.
Alguns até costumam fazer
Aquela cruel clitorectomia.

Mas no Brasil ocidental civilizado
Não extraímos uma unha sequer
Porém na psique da mulher
Destruímos a mulher."

Tom Zé
Roubei essa letra do Tom Zé do blog da Ju (meu preferido!). Nessas sintonias engraçadas da vida, essa música diz muito do que senti na última semana. Como somos cobradas e, principalmente, como nos cobramos como mulher. Passei a semana toda arrependida por ter essa sensibilidade (que me fez já tantas vezes "passar vergonha") que me fez chorar no trabalho semana passada. E escutei aquele papo de falta de auto-controle feminino de diversas pessoas. Vale gritar, discutir, fazer cara feia, falar coisas duras, mas chorar, jamais. Injusto comigo, que não consigo me segurar. Fora isso, fiquei me questionando sobre várias situações que sinto que só passo porque sou mulher. Apesar de ser antropóloga e toda a bagagem que vem com isso quando o tema é gênero, não consigo me identificar com o movimento feminista em muitos pontos. Mas cada vez mais, me sinto prejudicada por as imposições sobre as mulheres. Precisamos estar sempre bonitas, mas parecendo naturais; malhar, mas não ser neurótica; romântica, mas não grude; feminina, mas destemida e saber esconder no dia-a-dia tudo aquilo que por anos aprendemos que eram "coisas de mulher". Uma vez, na faculdade, uma mulher muçulmana disse uma coisa que nunca me esqueci: ela não achava a mulher ocidental mais livre, nossas prisões eram apenas muito diferente das que elas tinham. A mulher brasileira ou ocidental, sofria outras pressões e limitações.Só uma questão de perspectiva.
Eu, da minha parte, na semana passada, só queria ser levada a sério, mesmo chorando. Não é pedir demais.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Little changes and choices

"Little changes [and] little choices add up to be revolutionary changes in your life."
 Sarah Ban Breathnach

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Para hoje

Comigo

 

"Se você vier
Pro que der e vier
Comigo...
Eu lhe prometo o sol
Se hoje o sol sair
Ou a chuva...
Se a chuva cair
Se você vier
Até onde a gente chegar
Numa praça
Na beira do mar
Num pedaço de qualquer lugar...
Nesse dia branco
Se branco ele for
Esse tanto
Esse canto de amor
Oh! oh! oh...
Se você quiser e vier
Pro que der e vier
Comigo
Se você vier
Pro que der e vier
Comigo...
Eu lhe prometo o sol
Se hoje o sol sair
Ou a chuva...
Se a chuva cair
Se você vier
Até onde a gente chegar
Numa praça
Na beira do mar
Num pedaço de qualquer lugar...
E nesse dia branco
Se branco ele for
Esse canto
Esse tão grande amor
Grande amor...
Se você quiser e vier
Pro que der e vier
Comigo
Comigo, comigo"
Dia Branco,  Geraldo Azevedo.