quarta-feira, 25 de junho de 2014

A Gabriela

"Eu te procuro
No Leblon, Copacabana
Vejo velas de umbanda
Um buquê jogado ao mar
Um marinheiro, estrangeiro, desumano
Deixou seu amor chorando querendo se afogar

No mar
Eu te procuro nos lençóis da minha cama
Ai de ti, Copacabana, será duro o teu penar
Pelo pecado de esconderes quem me ama
Ai de ti, Copacabana, serás submersa ao mar

No mar

O riacho navega pro rio
E o rio desagua no mar
Pororoca faz um desafio
No encontro do rio com o mar

No mar


Então mergulho no meu sonho absurdo
Entre carros, conchas, búzios
Entre os peixinhos do mar
Lembro Caymmi, Rubem Braga, João de Barro
E sigo no itinerário da princesinha do mar"

terça-feira, 24 de junho de 2014

Tudo ardeu

Quando estou triste ou feliz, corro para o blog da Juliana. Em tudo que ela escreve, seleciona, coloca, está um pouquinho de mim. Triste é o mundo de quem não sente como ela as coisas! Hoje, na borracheira , fiquei fingindo que trabalhava e rondando os textos da Juju. Como uma boa música brega, eu e Juju sentimentos a coisa a fundo, com uma exagero belíssimo que poucos valorizam (!). Juju, suas escolhas  foram como panquecas num dia de ressaca. Puro amor!

Desencana, meu amor!

Desencana, por favor! 



Esse de quem eu era e era meu,
Que foi um sonho e foi realidade,
Que me vestiu a alma de saudade,
Para sempre de mim desapareceu.

Tudo em redor então escureceu,
E foi longínqua toda a claridade!
Ceguei... tateio sombras... que ansiedade!
Apalpo cinzas porque tudo ardeu!

Descem em mim poentes de Novembro...
A sombra dos meus olhos, a escurecer...
Veste de roxo e negro os crisântemos...

E desse que era eu meu já me não lembro...
Ah! a doce agonia de esquecer
A lembrar doidamente o que esquecemos...!
[Florbela Espanca] 

Foi bonita a festa

"Foi bonita a festa, pá
Fiquei contente
E inda guardo, renitente
Um velho cravo para mim

Já murcharam tua festa, pá
Mas certamente
Esqueceram uma semente
Nalgum canto do jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei também quanto é preciso, pá
Navegar, navegar

Canta a primavera, pá
Cá estou carente
Manda novamente
Algum cheirinho de alecrim
"
Tanto Mar

 Muitas vezes, a vontade é produzir um texto, um filme, uma música que explique pro outro como gostaríamos de ser vistos, ouvidos e sentidos. Quanta intenção, Gabriela!Fica essa "borracheira" no coração, essa vontade de ter dito e feito tudo diferente. Acabou a festa e cá estou carente.

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Ação e Caminho

"O sentimento cria a ideia
 A ideia gera o desejo.
 O desejo acalentado forma a palavra.
 A palavra orienta a ação.
 A ação detona resultados.
 Os resultados nos traçam o caminho nas áreas infinitas do tempo.
 Cada criatura permanece na estrada que construiu para si mesma.
 A escolha é sempre nossa."
Emmanuel

segunda-feira, 9 de junho de 2014

A nossa parte






             "Saber a nossa parte  fazer. Saber a parte de Deus e esperar. Eis a expressão da serenidade".

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Amarelo Esmeralda

Eu, há um ano atrás, não tinha ideia de quanto a vida é abundante, misteriosa, amorosa, sofrida e libertadora. Levei um ano para voltar a Ação Cristã Vovô Elvírio, um ano para me encontrar, para encontrar Esmeralda, amizade, José, vida, renovação, libertação. Um ano me preparando para esse encontro com o Cristo que acredito. E ele estava lá, com aquelas pessoas vestidas de branco, trabalhando na Única Lei de Jesus: amor e caridade. Vou levar muito tempo para entender o tamanho da minha sorte, do amor que me invadiu, da profunda alegria espiritual que tomou conta de mim. Eu gritei com todo o meu coração: "Obrigada, Jesus, você está aqui!" Um Cristo ao lado das minorias, revolucionário, cercado dessas energias poderosas, trabalhando com alegria, rindo e chorando conosco. Está no bom, no ruim, está em tudo e sempre. Preconceitos quebrados, amor redobrado. Chorei, ri, vivi, cantei e fui eu por inteiro. Como me foi dito: é só o início! Obrigada mentora Esmeralda, por segurar na minha mão, me amar como sou e confiar em mim. E Jesus, mestre amigo, obrigada por nos amar tanto.